Como funciona o Tesouro Nacional – Parte 3

11 de março de 2012 por: Raquel Loyola

Este é o último post da série. Para ler o primeiro post clique aqui. Para ler o segundo post clique aqui.

Recompra de Títulos

A recompra é feita pelo Tesouro Nacional todas as quartas-feiras das 9h até as 5hs das quintas-feiras. O Tesouro Nacional faz isso para oferecer liquidez aos títulos comprados pelos investidores que por algum motivo não queiram permanecer com eles até o vencimento.

Nas semanas que houver reunião do Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central, a recompra dos títulos é interrompida entre 17hs de quarta-feira e 9hs de quinta-feira (à exceção da LTF) e retomada entre 9hs de quinta-feira e 5hs de sexta-feira.

Importante: – A recompra é só para os títulos adquiridos pelo investidor no Tesouro Direto.
– Não há carência nem limite máximo.
– A recompra é feita a preços de mercado.

Se o investidor permanecer com o título até o vencimento a rentabilidade informada no momento da compra é garantida. Se for vendido antes, o Tesouro Nacional pagará o seu valor de mercado, como acontece com os fundos de investimento. A rentabilidade poderá ser maior ou menor do que a contratada, dependendo do preço do título no momento da venda. Esses preços podem ser encontrados no site do Tesouro Direto.

Tributação

Os tributos a que os títulos publicos estão sujeitos são os mesmos dos investimentos em fundos de renda fixa. Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) para aplicações com prazo inferior a 30 dias e Imposto de Renda (IR) sobre os rendimentos do título, que é cobrado no momento da venda, no seu vencimento e no pagamento de cupom de juros, conforme a tabela:

Aplicações com prazo de Alíquota
até 180 dias 22.5%
de 181 até 360 dias 20.0%
de 361 até 720 dias 17.5%
acima de 720 dias 15.0%

São cobradas taxas referentes aos serviços prestados. No momento da compra do título, é cobrada uma taxa de negociação 0,10% sobre o valor da operação. Há uma taxa de 0,30% ao ano sobre o valor dos títulos referente aos serviços de guarda dos títulos e às informações e movimentações dos saldos, que é cobrada proporcionalmente ao período em que o investidor mantiver o título a cada semestre ou no momento da venda e é calculada até o saldo de R$1.500.000,00 por conta de custódia.

Os agentes de custódia também cobram taxas de serviços livremente acordadas com os investidores. As taxas cobradas por instituição estão disponíveis para consulta no site do Tesouro Direto.

O investidor do Tesouro Direto pode obter extratos e consultar saldos sempre que quiser. Basta acessar o ambiente restrito do site do Tesouro Direto. O extrato também é enviado por e-mail mensalmente.

Posts Similares:
    None Found

Colocado em: Investimentos

Trackbacks

Deixe o seu Comentário

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.